Escola

Como evitar briga nas escolas antes que o problema evolua

Escrito por Lilo

Prevenção, intervenção e reflexão — esses são os passos essenciais para evitar briga nas escolas. Confira o post e saiba como solucionar esse problema!

A resolução pacífica de problemas e o estabelecimento de consensos são habilidades muito importantes na vida adulta. Porém, esse aprendizado começa ainda na infância, quando a família reforça os valores corretos e profissionais da educação trabalham para evitar a briga nas escolas.

Ensinar as crianças a canalizarem suas emoções de forma positiva é essencial. Isso traz resultados futuros e também evita que os educadores e gestores tenham que lidar com todos os transtornos decorrentes de briga nas escolas.

Quando o conflito entre duas crianças chega ao nível físico toda a turma fica mais agitada que o normal, prejudicando o andamento das aulas. E ainda há outra questão: o fato é relatado pelos alunos às suas famílias, e quem sai com a fama ruim, nesse caso, é a escola.

Considerando esses pontos, resolvemos tratar desse assunto e abordar justamente os anos iniciais da criança na escola, especialmente a educação infantil. Vamos falar como a escola e o professor podem prevenir o problema, bem como as ações que podem ajudar os alunos a refletirem depois de um acontecimento desagradável. Confira!

Como evitar briga nas escolas?

1. Prevenção

A prevenção é sempre a melhor solução. É importante que o educador ensine a reconhecer as emoções e lidar com elas apropriadamente. Porém, a abordagem deve ser sempre muito concreta, já que as crianças ainda não desenvolveram a capacidade de abstração. Veja algumas sugestões:

Contação de histórias

Professora e duas crianças brincam com fantoches em escola.

Uma maneira incrível de abordar os conflitos e suas formas de solução é por meio da contação de histórias. As crianças se identificam com os personagens e desenvolvem a empatia, ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outro e entender suas dores.

Esse é um processo longo, que leva tempo. Porém, o professor pode usar vários recursos: os próprios livros, desenhos animados, encenações com fantoches etc. Com os pequenos, é muito importante dar ênfase a esse tipo de atividade.

Estabelecimento de regras claras

Também é fundamental que as crianças saibam quais são as regras da escola e da sala de aula. Assim, elas não terão dúvidas de que determinadas atitudes não serão aceitas e de que consequências são reais.

Quando eles são pequenos, é importante que as regras sejam ilustradas e fiquem expostas nas paredes. Esse reforço visual, que eles compreendem tão bem, ajudará a fixar essas normas na mente e a alertar o aluno sempre que se sentir tentado a ir além dos limites.

Acalme as crianças

A briga nas escolas acontece especialmente quando os ânimos estão muito exaltados e a brincadeira está pegando fogo. Por isso, é importante que o professor alterne os momentos. Uma atividade mais agitada deve ter um limite de tempo definido e ser seguida por outra que acalma as crianças.

Estabeleça limites

Mostre às crianças que elas podem tentar solucionar seus conflitos sozinhas. Porém, se elas ou seus colegas em volta perceberem que uma discussão está tomando rumo para uma agressão verbal ou física, devem solicitar a ajuda do professor.

Reconheça o esforço de quem busca esse auxílio antes do problema se tornar mais grave.

2. Intervenção

Porém, mesmo que o professor tenha tomado esses cuidados, a briga nas escolas pode acontecer. É fundamental que, nesse momento, ele saiba como agir para acalmar os ânimos dos alunos e encerrar o embate, seja ele verbal ou físico.

Uma alternativa interessante é estabelecer um sinal. Se duas crianças começam a discutir em voz alta, por exemplo, a classe deve saber que quando o professor apita ou bate palmas elas precisam ficar imediatamente em silêncio.

A partir desse ponto, o professor estabelece procedimentos para ouvir as duas partes e intermediar a situação até chegarem à paz e ao consenso.

No conflito físico, a atitude pode ser a mesma. Porém, caso as crianças não parem a agressão diante do sinal sonoro, elas precisam ser contidas. É fundamental que o professor seja justo e, depois de ouvir os alunos, aplique as penalidades previstas na regra.

Nesse caso em que a briga nas escolas acaba em agressão física, é importante que os dois alunos tenham algum tipo de consequência, já que não buscaram uma alternativa racional ou o auxílio do professor para solucionar o problema.

3. Reflexão

Crianças brincam na mesa da escola. À frente, um menino sorri com brinquedo nas mãos. Ao fundo, três crianças desfocadas.

Depois que uma briga nas escolas tiver acontecido, o professor deve realizar algumas atividades para proporcionar a reflexão. O assunto pode ser retomado em sala de aula, para que todos tenham a oportunidade de repensar suas atitudes.

A abordagem pode ser mais séria logo após o acontecido e, posteriormente, o assunto também deve retornar de forma lúdica, se o educador entende que é necessário trabalhar melhor o tema que gerou o conflito.

Mais uma vez, valem atividades como histórias, fantoches e encenações para provocar essa discussão.

Realizar ações preventivas para evitar briga nas escolas facilitará a criação de um ambiente harmônico, positivo e propício à aprendizagem, além de ajudar a formar cidadãos preparados para conviverem de forma pacífica na sociedade.

Gostou do post? Quer saber qual é a responsabilidade dos professores em relação ao comportamento dos alunos? Continue no blog e confira nosso artigo sobre esse tema.