Educação Escola

A melhor abordagem para o Dia da Consciência Negra nas escolas

Criança negra: é importante sensibilizar os alunos no Dia da Consciência Negra
Escrito por Lilo

Está chegando o Dia da Consciência Negra, comemorado no dia 20 de novembro, uma data essencial de se trabalhar com as crianças, e que ajuda a desenvolver conceitos de empatia, aceitação e harmonia.

No entanto, isso não pode ser feito de qualquer jeito. Existem abordagens mais recomendadas para trabalhar Dia da Consciência Negra em sala de aula, de modo a tirar o melhor proveito da ocasião.

Para ajudar você, educador, a trazer a data para a sua classe de forma consciente e responsável, vamos propor alguns métodos neste artigo.

Criança negra: é importante sensibilizar os alunos no Dia da Consciência Negra

Origem do Dia da Consciência Negra

O Dia da Consciência Negra foi oficializado como efeméride e incluído no calendário escolar em 2011, mas já era celebrado há oito anos.

A escolha da data para o Dia da Consciência Negra foi motivada pelo fato de 20 de Novembro de 1695 ser, supostamente, o dia da morte de Zumbi dos Palmares.

Zumbi foi um dos líderes do Quilombo dos Palmares, um agrupamento de pessoas negras, a maioria escravos fugitivos.

Zumbi nasceu livre, mas ainda criança foi capturado pelos portugueses e oferecido a um padre, que o educou para ajudá-lo na igreja, de onde escapou aos 15 anos para se refugiar em Palmares. Zumbi era sobrinho do líder do quilombo à época, Ganga Zumba, também descendente por pai de mãe do Rei do Congo.

Zumbi dos Palmares: o homem homenageado com a data do Dia da Consciência Negra

No Quilombo dos Palmares, Zumbi se tornou um grande guerreiro da resistência, um símbolo da libertação dos negros que teve sua imagem resgatada pelos movimentos abolicionistas e ainda é referência na luta pela igualdade racial.

O Dia da Consciência Negra pega emprestado a data de falecimento de Zumbi, que foi mutilado e teve a cabeça exposta em praça pública, para gerar uma reflexão sobre o sofrimento dos negros durante o período da escravidão no Brasil, cujas sequelas existem até hoje em nossa sociedade.

A oficialização do Dia da Consciência Negra aconteceu por iniciativa do Movimento Negro Unificado, mas foi originalmente proposta por um quilombo do Rio Grande do Sul, que celebra a data desde 1970.

Cuidados ao trabalhar a data em sala

O primeiro cuidado que se deve ter para para trabalhar os conceitos de empatia e consciência social a partir da comemoração do Dia da Consciência Negra é mostrar as diferenças entre as várias camadas sociais e associá-las à questão racial.

É importante fazer algumas perguntas: quantos alunos negros há na sua sala? E na sua escola? Em algumas escolas de classes mais elevadas, podemos ter salas inteiras em que não há um único aluno negro, enquanto eles são maioria nas camadas sociais mais prejudicadas.

Estudante negro

Se a sua sala não contar com nenhum estudante negro, é importante apontar isso aos alunos, perguntando para eles por que acham que isso acontece. Com esse questionamento na cabeça das crianças, comece a contar a história de Zumbi e da herança da escravidão no Brasil.

Caso haja apenas uns poucos alunos negros na sua sala, é importante deixar claro que eles são iguais aos demais alunos, e repreender qualquer tipo de atenção indesejada por parte dos colegas.

Algumas das considerações para evitar esse tipo de atenção são semelhantes à forma de tratar inclusão na escola: crie pontes entre os alunos ao invés de os diferenciar.

Independente da quantidade de alunos negros, seja de pele mais clara ou escura, na sala de aula, essa é uma boa hora de trabalhar sua consciência étnica e capacitá-los para lutar por seus direitos.

Na hora de formular atividades para o Dia da Consciência Negra, cuidado para não propor nada que seja ofensivo, como pintar o rosto das crianças de preto. A prática, conhecida como black face, é repudiada pelo movimento negro, pois remete à uma representação caricata e ofensiva..

Tome cuidado também com maquetes de engenhos, encenações que coloquem alunos brancos no controle dos negros e com representações explícitas demais da violência sobre os escravos, pois esses assuntos são ofensivos para estudantes negros e contribuem para a manutenção dessas estruturas de poder, ainda que de maneira simbólica.

Como conscientizar os alunos

Uma forma excelente de trabalhar o Dia da Consciência Negra é dando aos alunos uma tarefa de casa especial: um trabalho para ser apresentado na frente da sala sobre as heranças africanas do Brasil. Peça que eles falem das influências culturais que os africanos trouxeram para o país, atribuindo diferentes temas para cada aluno apresentar.

É importante deixar claro que quando falamos de cultura, não estamos nos referindo apenas a músicas, culinária, danças e folclore. É interessante falar também sobre questões menos óbvias, como o fato de Machado de Assis ser negro, e como esse fato costuma ser ignorado quando se fala sobre ele, as influências na linguagem e outros pontos que fogem do lugar comum.

Para as crianças menores, peça que listem de forma particular uma característica física e três de personalidade para que o educador anote. Incentive-as a não falar do tom de pele, sugerindo que troquem por outras características.

Depois, leia para a sala as características que os alunos listaram para que eles tentem adivinhar de quem se trata. Depois de terminada a brincadeira, fale sobre como não existem duas pessoas iguais no mundo e como é importante não se segurar às características físicas para realmente entendermos uns aos outros.

As crianças com diferentes tons de pele terão dito características físicas semelhantes quando se tira o fator étnico: talvez digam que são baixos, magros, altos, lentos, velozes, bonitos. Destaque essas semelhanças e exponha o fato de que a personalidade é muito mais importante para compreender as pessoas do que a aparência.

Crianças negras tiram foto com câmera.

E por que não fazer uma viagem a um museu ou centro histórico que fale sobre a escravidão, de preferência os geridos por entidades ligadas ao movimentos negros?

Você também pode chamar professores especializados, vindos de núcleos de diversidade em universidades, para responder perguntas das crianças. Eles provavelmente terão experiências e opiniões para compartilhar que serão muito interessantes..

Gostou das dicas de como trabalhar o Dia da Consciência Negra com o devido respeito em sala de aula e ajudar a sensibilizar os alunos? Então que tal conhecer um pouco mais sobre sensibilidade infantil? Leia nosso texto sobre como trabalhar sensibilidade em sala de aula.