Escola

Até onde vai a responsabilidade dos professores sobre o comportamento dos alunos?

Escrito por Lilo

Família, escola e educadores: entenda a responsabilidade dos professores sobre o comportamento dos alunos e também o papel de outros agentes na educação.

As estatísticas não são nada favoráveis: 20% do tempo das aulas é perdido em esforços para manter a ordem e a disciplina. Os resultados são vistos frequentemente na impossibilidade de concluir o conteúdo proposto, desempenho fraco de estudantes em provas oficiais e manifestações extremas de bullying e violência. Diante desse cenário, cabe a pergunta: qual é a responsabilidade dos professores sobre o comportamento dos alunos?

Sempre que esses fatos surgem, a tendência da sociedade é apontar os professores como os grandes responsáveis pelos resultados insatisfatórios obtidos. Os educadores enfrentam o questionamento dos pais e cobranças da escola. A falta de apoio cria uma espiral descendente de desmoralização e desmotivação.

Porém, até que ponto é responsabilidade dos professores solucionar esses problemas de comportamento?  Afinal, não se trata apenas da capacidade de obter a disciplina dos alunos. O problema é mais sério à medida em que outros agentes se isentam de sua participação em uma tarefa muito maior que o ensino — a educação.

De quem é a responsabilidade sobre o comportamento dos alunos?

Em primeiro lugar, é importante deixar muito claro que essa é uma responsabilidade compartilhada. Família, escola e professor têm papéis extremamente importantes quando se trata dos valores e princípios que devem ser ensinados às crianças. Esses conceitos se refletem no comportamento.

Mas qual é o papel de cada um? Vamos tratar resumidamente das tarefas desses agentes:

O papel da família no comportamento dos alunos

É papel da família se responsabilizar pela socialização primária da criança. Isso envolve as regras básicas de convivência, como a não agressão. Também é nesse estágio que se aprende a cumprimentar as pessoas, usar as palavrinhas mágicas (por favor, com licença, obrigado etc), manter o ambiente limpo, fazer as atividades nos momentos apropriados e acatar regras de um determinado local.

O papel da escola no comportamento dos alunos

Conforme a criança cresce, ela transitará por outros ambientes além do lar. Algumas instituições participam do processo de socialização secundária, como igrejas, clubes e espaços para prática desportiva. Porém, a escola é a principal instituição responsável por essa etapa e cabe a ela contribuir majoritariamente para que o aluno entenda que não existe apenas “seu mundo”, mas uma sociedade ampla e plural, com regras às quais ele precisa se adaptar.

Por isso, a escola precisa ter uma postura disciplinar clara e coerente. Não é somente responsabilidade dos professores manter a ordem em sala de aula. É importante que a instituição como um todo estabeleça normas, oriente os alunos e exija o cumprimento das regras referentes ao uso do espaço público, ao relacionamento com as pessoas, à utilização e conservação de recursos coletivos etc.

É ainda nessa etapa que valores como solidariedade, respeito, sensibilidade, empatia e cidadania são implementados. Assim, os alunos não se tornam apenas “pessoas corretas”, mas também “pessoas boas”. Afinal, é com seres humanos assim que formaremos uma sociedade mais justa e solidária.

No processo de socialização secundária, cabe à família buscar uma instituição alinhada aos seus próprios princípios e apoiar a ação da escola. Eles devem incentivar a boa convivência com colegas, professores e demais funcionários. Também é fundamental ajudar o estudante a entender a hierarquia nas relações e seu papel diante dela.

A responsabilidade dos professores sobre o comportamento dos alunos

Precisávamos falar de outros agentes antes de tratarmos da responsabilidade dos professores quanto ao comportamento dos estudantes, porque o professor é parte de uma engrenagem e não pode ter os resultados desejados sem essa cooperação.

No entanto, a responsabilidade dos professores é realmente muito grande. Em primeiro lugar, ele é o agente da instituição que está mais próximo dos alunos. Por isso, o educador ouve o que os estudantes falam, vê como se comportam e se existem situações de exclusão ou bullying na sala de aula.

Com base em suas observações, é papel dele promover aqueles valores que mencionamos no tópico anterior, como respeito, solidariedade, empatia e inclusão, entre outros. Ele pode fazer isso trazendo temas relacionados a esses assuntos em suas aulas, sempre que possível.

Também é viável orientar os alunos individualmente ou alertar a coordenação sobre a necessidade de desenvolver projetos de conscientização. Em alguns casos, o comportamento de determinados alunos é tão inadequado que não seve ser tratado como mera indisciplina.

Nesses casos, o acompanhamento profissional é essencial para evitar suicídios ou mesmo massacres, como os que aconteceram em Suzano ou no Realengo.

Além disso, alguns comportamentos que prejudicam o andamento das aulas se tornam menos frequentes quando o professor utiliza metodologias inovadoras. Debates, dinâmicas, gamificação e construção de projetos são algumas das estratégias metodológicas que evitam problemas como bagunça, conversas e consequentemente, o baixo aproveitamento.

Finalmente, a responsabilidade dos professores envolve o exemplo. Agir com ética, respeito, firmeza, bom senso e alinhamento às orientações da instituição é o caminho para melhorar o desempenho dos estudantes, criar uma sociedade mais humana e tornar o trabalho menos estressante para o próprio educador.

Quer saber como a rotina escolar e o comportamento dos alunos pode afetar até mesmo a saúde dos professores? Continue no blog e confira nosso post sobre a síndrome de burnout em professores.